Dízimo especial

spot_img

Mais lidas

Deveria haver alegria e não tristeza ao entregar o dízimo. Veja bem o que diz Deuteronômio 14.26.

“E aquele dinheiro darás por tudo o que deseja a tua alma, por vacas, e por ovelhas, e por vinho, e por bebida forte, e por tudo o que te pedir a tua alma; come-o ali perante o SENHOR, teu Deus, e alegra-te, tu e a tua casa;”

Quero agora voltar a falar sobre aquela primeira porção do seu salário ou da sua renda. Você ganhou dinheiro com excelência, o dinheiro caiu em sua conta. E aí, o que você vai fazer? Separar o dízimo, claro! Você faz isso? Se ainda não faz, hoje pode ser o dia dessa tomada de decisão tão impor­tante na sua vida financeira.

E por que resolvi falar sobre o dízimo novamente? Porque em nossa jornada financeira pelo Deuteronômio me deparei com a seguinte orientação: “Todos os anos juntem uma décima parte de todas as colheitas” (Deu­teronômio 14.22).

Veja que privilégio você tem de separar a primeira parte de sua renda e compartilhá-la com as pessoas especialmente designadas para receber esse dinheiro.

Um ponto muito interessante é que essa entrega deveria ser comemorada. Deveria haver alegria e não tristeza ao entregar o dízimo. Veja bem o que diz o texto aqui: “Ali, na presença do Senhor, nosso Deus, vocês e as suas famílias comam essas coisas e se divirtam à vontade” (Deuteronômio 14.26 NTLH).

Você entrega o seu dízimo com alegria ou com dor, pen­sando que ele poderia ajudar a pagar outras contas? Alegre-se na presença de Deus por esse ato tão espiritual, que expressa toda sua confiança naquele que provê todas as coisas para você e sua família.

Mas a que esse dízimo deveria ser destinado? Veja o que o texto bíblico diz aqui:

“Não esqueçam os levitas que moram nas cidades de vocês. Eles não receberão terras em Canaã como as outras tribos. De três em três anos juntem a décima parte das colheitas daquele ano e guardem nas cidades onde vocês moram. Essa comida é para os levitas, pois eles não têm terras próprias; é também para os estrangeiros, os órfãos e as viúvas que moram nas cidades de vocês. Assim todos eles terão toda a comida de que precisarem. Faças isso para que o Senhor, nosso Deus, aben­çoe todo o trabalho de vocês” (Deuteronômio 14.27-29 NTLH).

É curioso que, segundo este texto, além dos levitas outras pessoas financeiramente necessitadas poderiam se beneficiar dessa porção da renda. Era um dízimo especial, levantado a cada três anos.

Veja então que, além dos levitas que viviam dos dízimos comuns, também os estrangeiros, órfãos e viúvas seriam bene­ficiados por esse outro dízimo, mas tudo era motivo de alegria. Nada de desânimo. Nada de tristeza.

E veja só que promessa incrível Deus fez quando disse: para que o Senhor, nosso Deus, abençoe todo o trabalho de vocês. Você já notou que às vezes trabalhamos muito e os resultados parecem ser muito limita­dos? Mas não nesse caso, pois o próprio Deus abençoaria o seu trabalho de um modo especial.

Você não gostaria de con­tar com essa bênção de Deus em sua vida financeira? O mais importante aqui, porém, é ter o coração voltado para ajudar as pessoas. Isso mesmo. Nunca desanime em sua vida financeira, pois a generosidade está no coração de Deus.

Conclusão

O dízimo sempre foi usado para dar apoio financeiro às pessoas que ajudam na sua formação espi­ritual. Hoje o dízimo deve ser direcionado aos pastores e àqueles que se juntam a eles em sua igreja local. Mas outra parte de sua renda deve ser usada para ajudar pes­soas necessitadas.

Por Paulo de Tarso – é pastor, engenheiro e mestre em teologia. Fundou o Ministério Finanças para a Vida, que ensina pessoas de todas as idades a administrar o dinheiro de acordo com a Bíblia

- Propaganda - spot_img

Últimas Noticias

- Propaganda -