Apenas 46% dos cristãos enxergam missões como ‘mandamento’ de Cristo

spot_img

Mais lidas

Há uma grande diferença entre o que pastores e membros entendem por comprometimento missionário, aponta pesquisa.

Na passagem, Jesus diz a seus seguidores: “Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, e ensinando-os a obedecer a tudo o que lhes ordenei”.

Um mandamento deixado por Jesus a todos os cristãos ainda não tem sido entendido como se fosse universal. Conhecido como “Ide”, ele está registrado em Mateus 28:19-20 e é o núcleo do que é chamado de Grande Comissão.

Uma pesquisa feita pela Barnas aponta para essa realidade e ainda que pastores e leigos têm visões muito diferentes sobre o escopo das missões.

A pesquisa descobriu que 85% dos pastores, mas apenas 46% dos cristãos acreditam que “missões são um mandato para todos os cristãos” – uma diferença de 39 pontos. Entre os cristãos praticantes (definido pela Barna como aqueles que frequentaram a igreja no mês anterior à pesquisa e concordam fortemente que sua fé é muito importante para sua vida), 42% acreditam fazer parte do mandamento de Cristo.

“Esta é uma diferença profunda”, analisou a Barna. “Tanto os líderes quanto os fiéis devem desvendar por que essa lacuna existe. Os pastores podem se inclinar para entender melhor e moldar como os congregados interpretam as missões. A participação deles significa doar dinheiro, orar, educar, evangelizar, realocar ou qualquer outra coisa?”.

Entre os cristãos “que podem identificar corretamente” a Grande Comissão, 61% “veem as missões como um mandato”, disse Barna.

Enquanto isso, em questões relacionadas:

  • 77 por cento dos pastores dizem que é mais importante para as missões espalhar o Evangelho do que promover a justiça (15 por cento). Entre os cristãos autoidentificados, 43% escolheram “espalhar o Evangelho”, enquanto 37% escolheram “promover a justiça”.
  • 88 por cento dos pastores dizem que é mais importante para as missões equipar as tribos indígenas do que ser “a curto prazo” (6 por cento). Entre os cristãos, 46% escolheram “tribos indígenas” e 18% escolheram “curto prazo”.
  • 59 por cento dos pastores, mas 47 por cento de todos os cristãos dizem que é mais importante que as missões sejam “focadas globalmente”.

Os resultados da pesquisa foram publicados no site da Barna em 20 de abril.

Por Guiame

- Propaganda - spot_img

Últimas Noticias

- Propaganda -