Cultivemos Valores Eternos

spot_img

Mais lidas

Na vida, os nossos valores nos acompanham. Isso é perceptível a partir de uma opinião que emitimos até uma decisão que tomamos. Tudo o que fazemos e como agimos depende muito de nossa visão de mundo, e de nossas crenças, ou seja, do que acreditamos. Como por exemplo, os valores que temos, quem somos, e o que queremos.

O Dicionário de psicologia (APA) define o termo “valor” como sendo o princípio moral, social ou estético aceito por um indivíduo ou sociedade, como um guia para o que é bom, desejável ou importante. Partindo desse pressuposto, podemos afirmar que cada pessoa é única, assim como também são seus valores.

Os valores são importantes, por isso devem ser preservados desde o aspecto pessoal, que são valores intrínsecos, valores individuais, como também os valores familiares, sociais, morais, profissionais e, é de bom tom lembrar, os valores universais.

Um micro, um meso ou um macro sistema que despreza os seus valores está fadado ao fracasso. Poderia descrever outros tipos de valores, mas me deterei a falar, com você, um pouco sobre os valores familiares, sua importância e o que a Bíblia nos diz sobre eles. Daí vem o tema da nossa reflexão: Conservemos os valores eternos.

A nossa história, indubitavelmente, tem sentido a partir do nosso contexto familiar. A família é esse marco de referência social e moral, onde os valores familiares – costumes e leis que regem cada família – são repassados aos seus descendentes e estes passam à geração seguinte. Quando esse sistema não é retroalimentado, ou seja, quando esses valores não são repassados, como Deus ordenou, o resultado é desastroso. Infelizmente, é o que estamos vivenciando nos nossos dias.

O que a Bíblia nos ensina sobre conservar nossos valores? Deus, certa feita, falando de Abraão disse: visto que Abraão certamente virá a ser uma grande e poderosa nação {…} porque o tenho conhecido, que ele há de ordenar a seus filhos e a sua casa depois dele, para que guardem o caminho do Senhor, para agirem com justiça e juízo (Gn 18.17,19). Deus estava dizendo que Abraão passaria os valores eternos a outras gerações, ele ordenaria a sua casa e a ordem seguiria depois dele. 

Se dar conta, amiga, como é importante, termos a promessa de Deus e transmiti-la aos nossos filhos? Acho lindo como Deus ordena a Moisés para transmitir ao povo seus valores e seus mandamentos. Acompanhe comigo: ouve, oh Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo teu poder. E estas palavras que hoje te ordeno estarão no teu coração; e as intimarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te (Dt 6.4-7). Siga lendo e Deus vai abrindo os seus olhos.

Você que é tia, mãe, e avó tem repassado os valores aos seus? Que valores podemos transmitir aos que estão sob nosso cuidado? Amor (Rm 12.9-10), respeito (Rm 13.7; 1 Pe 2.17), tolerância (Cl 3.12-13), afeto ou empatia (Fp 2.1; Cl 3.12), responsabilidade (Pv 22.6), confiança (2 Ts 3.4; Hb 3.14) paciência (Rm 15.4; Ec 7.8), disciplina (Pv 12.1; Ef 6.4), humildade (At 20.19; Rm 12.3), perdão (Mt 18.21; Ef 4.32), honestidade (1 Tm 2.2-3; Sl 37.37) e gratidão (Sl 103.1-2; Cl 3.16). Medite em cada valor mencionado e faça uma análise introspectiva. Usando toda sinceridade do seu coração, faça uma oração ao Senhor dizendo-lhe o que deseja o seu coração, no que concerne aos valores eternos que você precisa desenvolver. Em seguida, depois de ter orado e conversado com o Senhor, tenha em mãos a sua agenda e comece a escrever quais valores você tem negligenciado e se comprometa com o Espírito Santo a ser uma agente propagadora de valores eternos à sua família. Obviamente, chegará o dia em que os que estão sob seus cuidados sairão de sua companhia e, certamente, repassarão os valores por eles apreendidos à geração seguinte. Você poderá dizer como Paulo: “tu, porém, tens seguido a minha doutrina, modo de viver, intenção, fé, longanimidade, amor e paciência” (2 Tm 3.10).

Acho interessante como Paulo se refere aos valores que foram repassados a Timóteo: sua fé não é fingida, porque foi um valor que veio de sua avó Loide passou à sua mãe Eunice e ela a transmitiu para você e isto é notório (adendo meu). Certo dia, assisti uma entrevista com uma ex-atleta e alguém lhe perguntou: mas porque você, depois que foi mãe, largou tudo para cuidar de seu filho? Ela respondeu: foi a melhor maneira que achei de passar o legado que recebi de meus pais. A entrevistadora insiste: Que legado você recebeu? A sinceridade, a solidariedade, o amor ao próximo e o melhor, disse ela, eles me mostraram Deus. Que esta seja a minha e a sua oração: Deus, faz-nos transmissoras de valores eternos. Desta maneira, nossos filhos serão: “irrepreensíveis e puros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual eles possam brilhar como luzeiros no mundo” (Fp 2.15). E nós diremos como Paulo: “Assim no dia de Cristo, poderei me gloriar de que não corri em vão, nem me esforcei inutilmente” (Fp 2.16).

Por Judite Alves Professora e terapeuta familiar; casada com o Pr.Ailton José Alves (presidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco)

- Propaganda - spot_img

Últimas Noticias

- Propaganda -