Vitoria nas Tentações

Pr. Sérgio Loureiro
Pr. Sérgio Loureiro
Sou o Pastor Sérgio Loureiro, Casado com Neusimar Loureiro, Pai de Lucas e Daniela Loureiro. Graduando em Administração e Graduando em Teologia. Congrego na Assembleia de Deus em Bela Vista - SG
spot_img

Mais lidas

“Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto. mas a carne é fraca” Mc 14.38

O tema da tentação está sempre presente na vida dos crentes. Os anos vão se passando, e novo meios são utilizados para tentar os servos de Deus. As estruturas do pecado, a cada dia, são aperfeiçoadas, visando atrair e levar à queda homens e mulheres crentes em Jesus. A cada dia, os crentes em Jesus vão sendo submetidos a novas formas de tentações. Porém, o caminho para a vitória está na vigilância e na oração.

A Origem da Tentação       

  1. Tentação Humana

             A Bíblia nos diz que “Não veio sobre vós tentação, senão humana” (1Co 10.13). Neste contexto, podemos entender que tentação “humana” quer dizer própria da natureza carnal do homem. Vejamos o que diz o apostolo Paulo: “Porque, quando estávamos na carne, as paixões dos pecados, que são da lei, operavam em nossos membros para darem fruto para morte. Mas agora, estamos livres da lei, pois morremos para aquilo em que estávamos retidos; para que sirvamos em novidade de espírito, e não na velhice da letra” (Rm 7.5-8). A tentação “humana”, em seu aspecto maléfico, pernicioso e incitador ao pecado, têm por finalidade afastar-nos da presença de Deus. Se o crente não seguir o conselho de Jesus para vigiar e orar, não há escape. O pecado é concebido e consumado, como veremos mais adiante.

Fontes da Tentação

          Tentação é o ato ou efeito de tentar; disposição de animo para a prática de coisas diferentes ou censuráveis. Biblicamente, podemos dizer que é o convite ao pecado. A tentação tem, basicamente, três origens: a carne, o mundo e o diabo.

  • A Carne (Mc 14.38,39). Notemos que Jesus repetiu as mesmas palavras, “carne é fraca”. não importa se um membro da igreja há cinqüenta anos, ou se um novo convertido, a “carne” é igualmente propensa ao pecado. Não se pode brincar com a carne, nem com o pecado. Temos uma listas negras de pecados em Gl 5.19-21.
  • O Mundo (1Jo 2.15,16; Jo 15.19). Tudo isso é fonte de tentação. Esse sistema de tentação, chamado mundo, tem atuado de modo avassalador nos últimos tempos.
  • O diabo (Ez 28.14) O diabo é o principal agente da tentação. O crente não deve subestimar o poder do diabo, ele não é um ser comum. Ele foi criado por Deus e dotado de inteligência fabulosa. Não devemos ter medo dele, pois o nosso Deus é infinitamente mais forte que o inimigo de nossas almas. Mas devemos enfrentar-lo com as armas espirituais que o Senhor coloca à nossa disposição.

Como Ocorre Tentação

       O apóstolo Tiago nos dá uma excelente orientação, quase didática, sobre o processo da tentação, indicando cinco passos que levam à queda:

  1. A atração do desejo (Tg 1.14a) “mas cada um é tentado, quanto atraído…” primeiro, vem a atração pelos sentidos:
  2. Visão (1Jo 2.16);
  3. Audição (1Co 15.33);
  4. Paladar e tato (Pv. 6.17)
  5. O engodo (isca). A pessoa é atraída, seduzida e “engodada pela própria concupiscência” (Tg 1.14b). O diabo engana, atrai,seduz, induz e força ao pecado. Mas, se houver vigilância, oração e temor de Deus, ele é vencido pela fé.
  6. A concepção do desejo (da concupiscência). Na mente, nos pensamentos (Mc 7.21-23), o desejo é concebido. Só se faz o que se pensa. Nesse ponto, ainda se pode evitar o pecado. Se o crente der ouvido a voz de Deus, vai parar e fugir.
  7. O pecado é gerado. “depois, havendo a concupiscência concebido, dá a luz o pecado” (Tg 1.15). Ainda na mente, já nasce o pecado, e ali mesmo alguém pode adulterar (Mt 5.27,28)
  8. A consumação do pecado (Tg 1.15b). … “e o pecado, sendo consumado, gera a morte”. A morte, aqui, é espiritual. Só há solução se, ainda em vida, houver arrependimento. Antes de cair, crente tem comunhão com Deus, desfruta da paz de Deus, “que excede todo o entendimento” (Fp. 4.7), tem acesso ao trono da graça, pode orar ao Pai, em nome de Jesus, e receber o que pedir ao Senhor (Jo15.16). transborda em línguas estranhas, cheio do Espírito Santo, no louvor a Deus, sentindo os rios de água viva fluírem do seu interior, como disse Jesus. Dorme tranqüilo, vivendo em paz em seu lar, saúda os irmãos, olhando nos olhos, em comunhão com a Igreja do Senhor. É uma vida de santidade, de temor e de paz.

           Vitoria sobre a Tentação

1. Vigiando (Mt 26.41)

2. Orando (Mt 26.41)

                Como Vencer o Mundo

  • Não amando (1Jo 2.15);
  • Não nos conformando com ele (Rm 12.2);
  • Crucificando o mundo, e sendo crucificado para ele (Gl 6.14);
  • Resplandecendo como astro no mundo (Fp 2.15);
  • Sendo luz do mundo (Mt 5.14-16);
  • Escapando das corrupções do mundo (2Pe 2.20);
  •  Usando a arma da fé (1Jo 5.4).

Como vencer o diabo

  • Usando a Palavra de Deus (Ef 6.17)
  • Usando a armadura do crente (Ef 6. 10-18).

Conclusão

         Ninguém pode ter uma vida isenta de tentações. Jesus submeteu-se à tentação no deserto, saindo-se vencedor, ao final do embate com inimigo. Assim, os crentes fiéis também podem ser tentados, e serem vitoriosos, ao fazer uso das armas espirituais que Deus coloca a seu dispor. A tentação nos faz ver quanto somos frágeis em nós mesmos, quando precisamos de Deus em nossa vida, quando precisamos orar, vigiar e consagrar para buscar a força e o poder para vencer.   

- Propaganda - spot_img

Últimas Noticias

- Propaganda -