‘Escrevi a Vladimir Putin um dia antes da invasão’, diz pastor russo para impedir guerra

spot_img

Mais lidas

Chefe da Aliança Evangélica Russa diz que lamentou o que seu país fez na invasão da Ucrânia.

Pastor de uma igreja batista em Moscou, Vytaly Vlasenko lamentou as ações da Rússia contra a Ucrânia. Ele escreveu uma carta aberta aos evangélicos expressando consternação e tristeza pelas vítimas da guerra.

Atual secretário-geral da Aliança Evangélica Russa, Vlasenko falou ainda sobre o drama das perdas materiais, dos refugiados e as consequências difíceis de prever em um conflito armado como o que se desenrolou em últimas semanas.

Ao lado de outros pastores e líderes de entidades pentecostais e batistas, Vlasenko já havia se manifestado contra a ação militar russa, bem como.

Veja a íntegra da carta, que foi divulgada pela Aliança Evangélica Europeia.

Carta aberta de Vytaly Vlasenko

Aos meus queridos irmãos e irmãs ao redor do mundo:

Como secretário-geral da Aliança Evangélica Russa, lamento o que meu país fez em sua recente invasão militar de outro país soberano, a Ucrânia.

Para mim, como para muitos outros cristãos, a invasão militar foi um choque. Na pior das hipóteses, eu não poderia imaginar o que está sendo observado agora na Ucrânia. Dois povos intimamente relacionados entre si, muitos dos quais são profundamente devotados à fé cristã (principalmente ortodoxa), estão agora em uma batalha feroz, um lado perseguindo o objetivo de desmilitarizar a Ucrânia, o outro buscando salvar seu país da ocupação.

Muitos russos e ucranianos têm relações familiares próximas no país oposto. Um russo pode ter filhas e netos morando em Kiev; um ucraniano pode ter filhos vivendo e trabalhando em Moscou.

Hoje, a dor, o medo e a profunda tristeza por seus entes queridos e pelo futuro de suas próprias vidas e países perfuram o coração de muitas pessoas como um relâmpago, porque desde a Segunda Guerra Mundial, ninguém sabe quais são os limites da guerra e quais suas consequências.

Hoje, soldados de um lado e do outro estão morrendo. Sentimentos pacíficos estão sendo destruídos em meio aos bombardeios, e um fluxo de atenção crescente correu pela Europa na forma de refugiados: mulheres, idosos e crianças.

Todos esses eventos me causam profunda tristeza, amargura e arrependimento pelas decisões tomadas pela liderança do meu país, e uma grande compaixão por aqueles que sofrem como resultado dessa decisão.

Tudo o que pude fazer para evitar a guerra, fiz na tentativa de impedir essa invasão militar:

Na minha qualidade de secretário-geral da Aliança Evangélica Russa, escrevi uma carta aberta ao presidente Vladimir Putin no dia anterior à invasão, na qual apoiei o pedido dos líderes religiosos da Ucrânia para uma solução pacífica para todos os conflitos.

Iniciamos jejum e oração pela paz e harmonia entre a Rússia e a Ucrânia.

Nossa Aliança participou de orações públicas ao lado de líderes russos, ucranianos e europeus pela reconciliação de todas as partes.

A Aliança Evangélica Russa prestou assistência humanitária a mais de 500 refugiados da Ucrânia estacionados no sul da Rússia.

Iniciamos uma mesa redonda e subsequente conferência internacional sobre o tema dos conflitos militares e políticos.

Hoje, como cidadão e como secretário-geral da Aliança Evangélica Russa, peço desculpas a todos aqueles que sofreram, perderam entes queridos e parentes, ou perderam seu local de residência como resultado deste conflito militar.

Minha oração é que você encontre a força do Senhor para estender sua mão de solidariedade e perdão, para que possamos viver como povo de Deus em nosso mundo.

Que nosso Pai celestial ajude a todos nós.

Com profundo respeito, seu irmão no Senhor,

Vitaly Vlasenko

- Propaganda - spot_img

Últimas Noticias

- Propaganda -