YouTube censura sermão de John MacArthur por dizer que Deus nos fez ‘homem e mulher’

spot_img

Mais lidas

A plataforma de vídeos classificou a pregação de MacArthur como “discurso de ódio”.

O pastor americano John MacArthur, da Grace Community Church em Los Angeles, pregou um sermão no domingo sobre sexualidade bíblica para protestar contra uma nova lei canadense que entrou em vigor em 8 de janeiro após aprovada pelo Parlamento.

Mais de 4.000 pastores em toda a América do Norte se juntaram nesse dia para protestar em seus cultos dominicais.

A preocupação é que o projeto de lei C-4 do Canadá tenha uma redação ampla e possa, de fato, banir os ensinamentos bíblicos sobre ética sexual e até limitar as comunicações pessoais sobre o assunto.

De acordo com a Liberty Coalition Canada, a redação do projeto de lei é ampla o suficiente para permitir “o processo criminal de cristãos que falariam a verdade bíblica nas vidas daqueles que estão presos a pecados sexuais como homossexualidade e transgenerismo”.

De pé no púlpito no domingo, MacArthur disse: “Não existe transgênero. Você é XX ou XY, é isso. Deus fez o homem e mulher. Isso é determinado geneticamente, isso é fisiologia, isso é ciência, isso é a realidade.”

“Por um lado, a realidade dessa mentira e engano é tão prejudicial, tão destrutiva, tão isolante, tão corruptora que precisa ser confrontada, mas, por outro lado, esse confronto não pode exagerar o que já existe, que é uma sensação de se sentir isolado nos relacionamentos”, disse ele.

‘Discurso de ódio’

Mas o YouTube removeu o sermão de MacArthur de sua plataforma e disse ao comentarista conservador Todd Starnes que a apresentação em vídeo de MacArthur era “discurso de ódio”.

“Nossa equipe revisou seu conteúdo e, infelizmente, achamos que viola nossa política de discurso de ódio”, disse o YouTube, segundo Starnes. “Removemos o seguinte conteúdo do YouTube: ‘Não existe transgênero. Você é XX ou XY. É isso. – Pastor John MacArthur.'”

Starnes observou em seu blog: “Em outras palavras, o YouTube afirmou a lei canadense ao banir qualquer oposição ao transgenerismo em sua plataforma”.

Jenna Ellis, conselheira especial da Thomas More Society, que representou MacArthur quando o condado de Los Angeles tentou fechar a Grace Church por desafiar as ordens de saúde induzidas pela pandemia, falou contra a censura do YouTube ao sermão de MacArthur.

“A grande oligarquia tecnológica nos Estados Unidos está implementando o equivalente à lei insana do Canadá ao censurar a verdade e o direito dos pastores de ensinar a Bíblia”, disse Ellis ao comentarista conservador. “Se os americanos não pararem a grande tecnologia, este novo regime contornará a Constituição para impedir nossos direitos fundamentais de falar e exercer religião e o impacto será devastador.”

Os críticos temem que a lei perpetue a perseguição religiosa e possa até governar conversas privadas. “Os americanos devem estar se preparando para um momento em que pastores e líderes religiosos enfrentarão perseguição por ensinar a Palavra de Deus”, alertou Starnes.

Por Guiame

- Propaganda - spot_img

Últimas Noticias

- Propaganda -