Como estão os cristãos 30 anos após o fim da União Soviética

spot_img

Mais lidas

Os cristãos sempre sofreram perseguição e eram monitorados em tudo o que eles faziam

Há 30 anos, o tratado de Minsk selou o fim da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) e as repúblicas que formavam o país ganharam independência. Os países Quirguistão, Turcomenistão, Tajiquistão, Cazaquistão e Uzbequistão, que hoje formam a Ásia Central, haviam sido criados no início da União Soviética, sob o regime de Stalin.

Os cristãos sempre sofreram perseguição nessas regiões e eram monitorados em tudo o que eles faziam. Isso fazia com que os eles não se sentissem livres em lugar nenhum.

A partir de 1987, muitos prisioneiros religiosos foram libertos de campos de trabalho forçado e celas de prisão. No ano seguinte, a economia soviética entrou em crise. O presidente Mikhail Gorbachev, visando ganhar apoio, prometeu que os cristãos seriam reconhecidos como povo soviético, e as igrejas puderam ser reabertas.

No mesmo ano, uma mudança nos regulamentos postais permitiu o envio de milhares de unidades do Novo Testamento aos cristãos e igrejas em toda a União Soviética.

Por Portas Abertas

- Propaganda - spot_img

Últimas Noticias

- Propaganda -