Síndrome de Burnout

spot_img

Mais lidas

A Síndrome é conhecida pelo esgotamento físico e mental, na qual ocorre uma servidão de incapacidade. A pessoa que sofre desta síndrome, pode chegar a ter sentimentos suicidas (Síndrome Depressiva).

A Síndrome de Burnout é caracterizada por um estresse devastador, ligado e relacionado ao trabalho. O Indivíduo com a Síndrome de Burnout, tem um perfil no qual ele acredita que ninguém pode fazer como ele o trabalho, e que seus amigos são incompetentes e preguiçosos. São pessoas que possuem dificuldade em se desligar por um momento e deixar a autoridade relacionado ao seu trabalho de lado.

Nesses tempos de pandemia, surgiu o “home office”, que nada mais é que trabalhar em casa, o que acarretou uma sobrecarga de trabalho, que contribuiu para o desenvolvimento da Síndrome de Burnout, principalmente pelo período de tensão e fadiga provocado pela COVID 19.

O medo do contágio da doença e as necessidades do corte de gastos, fizeram com que muitos aderissem ao home office. Porém, mesmo em casa, muitos problemas têm acontecido, principalmente, no que diz respeito ao horário, que por vezes acabam trabalhando mais que o necessário por medo de perder o emprego. Eu já ouvi queixas de funcionários que acabam recebendo até chamada de vídeo em momentos fora de seu horário de trabalho. Se o profissional não tiver limites em seu dia a dia, acabara resultando em estresse, no qual as consequências poderão desencadear problemas físicos, mentais e emocionais, levando a pessoa a um esgotamento que poderá, inclusive impedir com que a pessoa consiga executar suas atividades.

O distúrbio pode causar sintomas desde a queda de cabelo, crise de choro, aumento da pressão arterial, taquicardia e problemas gastrointestinais. O que pode levar a uma depressão e a crises de ansiedade.

É importante salientar que a Síndrome de Burnout não acontece da noite para o dia, as mudanças vão aparecendo aos poucos.

A Síndrome de Burnout pode ocorrer também com pastores e líderes, e os sintomas são praticamente os mesmos, como o esgotamento físico e mental, levando a um sentimento de incapacidade tão grande e até pensamentos suicidas. Infelizmente, já soubemos de alguns líderes que não buscaram ajuda e chegaram a cometer suicídio.

As doenças psicossomáticas como diabetes, enxaqueca, úlceras e outras, nunca foram tão presentes na vida de tantos líderes como atualmente.

Muitas pessoas que são acometidos da Síndrome de Burnout percebem que algo está errado, porém preferem negar, fugindo de seus defeitos e gerando um distanciamento social, pois também acabam só cuidando de sua igreja e acabam não saindo com seus filhos e esposa.

Os mais acometidos com a Síndrome de Burnout são pessoas que mantém uma relação direta e constante com outras pessoas, como professores, médicos, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, policiais, bombeiros, pastores e líderes.

Quando a pessoa tem a primeira crise, já percebe que chegou no seu limite e se sente esgotada, e acaba percebendo que o trabalho excessivo acaba gerando um grande impacto no seu aparelho psíquico. O tratamento adequado como a psicoterapia é algo necessário.

Certa vez, atendi um paciente que era pastor, e que também trabalhava na construção civil. Ele havia sofrido um acidente de moto, depois operou e se recuperou, e passados alguns dias caiu do segundo andar de um prédio. Deprimido, com crises de pânico, tinha uma personalidade bastante exigente. Ele foi diagnosticado com Síndrome de Burnout, e o primeiro passo foi, com certeza, reconhecer que estava esgotado. Com isso, mudou seu estilo de vida, começou a fazer exercícios físicos, cuidou da mente, procurou ter mais qualidade de vida, cuidou da sua saúde mental e espiritual, escutou a palavra de Deus, montou um projeto na igreja mais tranquilo, tirou férias, e passou a ter mais momentos de lazer com a família. Aprendeu a tolerar frustrações, não se cobrava tanto quanto antes mais, e deu andamento ao tratamento de psicoterapia.

Esse tratamento depende de cada caso do paciente, mas pode incluir uso de medicamentos, como antidepressivos e/ou ansiolíticos em alguns casos, como maneira de prevenir esse fenômeno. Lembrando que, deixar de lado a ignorância e a negação, é o primeiro passo para se ter o conhecimento das causas da síndrome, e avançar para a mudança de comportamento.

Pessoas exaustas, não tem condições de oferecer nada a ninguém. A exaustão atrapalha a pessoa, dificultando inclusive na sua espiritualidade, não conseguindo oferecer carinho, amor e até mesmo uma palavra amiga a alguém.

Burnout não é falta de fé como muitos julgam. A Bíblia inclusive mostra o exemplo de Elias que chegou a fugir.

Se você se identificou com esse texto, não perca sua fé. A palavra de Deus diz em Mateus 11.28:

“Vinde a mim todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei”.

E se necessário procure ajuda psicológica, em Mateus 9:12 diz: “Não só os que tem saúde precisam de médico, mas sim os doentes”.

Por Valquíria Salinas

- Propaganda - spot_img

Últimas Noticias

- Propaganda -