EBD – O presbítero, bispo ou ancião

Pr. Sérgio Loureiro
Pr. Sérgio Loureiro
Sou o Pastor Sérgio Loureiro, Casado com Neusimar Loureiro, Pai de Lucas e Daniela Loureiro. Graduando em Administração e Graduando em Teologia. Congrego na Assembleia de Deus em Bela Vista - SG
spot_img

Mais lidas

Paz do Senhor!

Prezados professores e alunos,

No primeiro século, a igreja local havia lideres que orientavam os crentes quando ao Evangelho, bem como à organização e desenvolvimento. Mediante a perseguição aos crentes foi fator de perturbação à igreja, todavia motivou o crescimento e expansão do Reino de Deus por varias cidades e aldeias. Por motivo da expansão do Evangelho, ocorreu à necessidade de organizar lideranças, que naquela altura era os discípulos mais antigos escolhidos ou designados para cuidar de cada igreja. Quem era? Eram os anciões, que iam sendo escolhidos para serem superintendentes, supervisor, ou bispos.

“Olhai, pois, por vós e por todo rebanho sobre que Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentar a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue” (At 20.28)

O apóstolo Paulo mostrou a Tito que é um verdadeiro pastor e líder, chamado por Deus, e que tem o cuidado das igrejas que ele fundou em suas viagens missionária (1Co 1.1; Gl 1.1).

“Por esta causa te deixei em Creta, para que puseste em boa ordem as coisas que ainda restam e, de cidade em cidade, estabeleceste presbítero, como já te mandei” (Tt 1.5)

Ao longo dos séculos, o serviço do presbítero caracterizou-se pelo ministério de administrar as igrejas, bem como do ensino da Palavra. Como líderes os presbíteros estão para a congregação como um pastor de ovelhas para o rebanho. Por isso, eles alimentam com a Palavra de Deus, ajudando o rebanho a crescer espiritualmente e ficando alertas contra quaisquer perigos de erro ou pecado, que seria uma ameaça para o bem-estar espiritual do rebanho. O presbítero é obreiro que colabora com pastor sendo o elo entre os membros e o pastor.

“Rogamo-vos também, irmãos, que admoesteis os desordeiros, consoleis os de pouco ânimo, sustenteis os fracos e sejais pacientes para com todos” (1Ts 5.14)

Veremos nesta lição a definição da palavra presbítero, analisaremos sua função na Igreja Primitiva, e estudaremos também suas atribuições e deveres nas suas funções ministeriais como líder e servo de Deus.

ESCOLHA DOS PRESBÍTEROS

O Sinédrio dos judeus indicava a assembleia dos anciões do povo, composto, como se vê em Lucas, dos principais dos sacerdotes e escribas:

“E logo que foi dia, ajuntaram-se os anciões do povo, e os principais dos sacerdotes, e os escribas, e o conduziram ao seu concílio” (Lc 22.66)

“como também o sumo sacerdote me é testemunha, e todo o conselho dos anciões; e, recebendo destes cartas para os irmãos, fui a Damasco, para trazer manietados para Jerusalém aqueles que ali estivessem, a fim de fossem castigados” (At 22.5)

“Essa ideia foi transferida para o cristianismo, indicando o conjunto dos principais líderes da igreja, incluindo os pastores e os diáconos. Esse corpo de anciões, ou presbíteros, presume-se que pertencia à igreja local, pois, nos tempos primitivos, a liderança da igreja era plural, não estando investida em um só homem”. Kessler, p. 33

Significado da função

 De acordo com a Bíblia de Estudo Palavras-Chaves (2012, p. 2369. Nota 4245), o termo presbíteros do grego: “presbyteros” é uma forma comparativa da palavra grega: “presby” que significa: “uma pessoa experiente, madura, mais velha, anciã”. Os presbíteros tomavam parte ativa no apascentamento da igreja (At 20.28) e também no ensino, pois uma das qualidades exigidas do candidato ao presbitério era que fosse: “apto para ensinar”

“Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar” (1Tm 3.2).

Os presbíteros constituíam um corpo auxiliar no governo da igreja, sob a presidência do pastor. Em Atos, eles são mencionados junto com os apóstolos (At 15.2-6,22), o que denota a subordinação deles ao ministério principal da igreja.

Convêm salientar que os ministros também se consideravam presbíteros. O apóstolo Pedro escreveu para os presbíteros que ele também era presbítero:

“Aos presbíteros que estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbítero com eles, e testemunha das aflições de Cristo, e participante da glória que se há de revelar” (1Pe 5.1),

e o apóstolo João considerava-se ancião ou presbítero:

“O ancião à senhora eleita e a seus filhos, aos quais amo na verdade e não somente eu, mas também todos os que têm conhecido a verdade (2Jo 1)  

“O presbítero ao amado Gaio, a quem, na verdade, eu amo(3Jo 1)

Podemos dizer que os presbíteros não são pastores, mas, exercem funções pastorais. (BERGSTÉN, 1999, p. 270).

IMPORTÂNCIA DO PRESBÍTERO

A Bíblia de Estudo Pentecostal afirma em sua nota sobre “Dons Ministeriais para a Igreja” que: “Os pastores são aqueles que dirigem a congregação local e cuidam das suas necessidades espirituais. Também chamados “presbíteros” (At 20.17; Tt 1.5) e “bispos” ou supervisores (1Tm 3.1; Tt 1.17)” (STAMPS, 1995, p. 1815).  Do grego: episkopos”, literalmente, ‘inspetor’ formado de epi”, ‘por cima de’, e skopeo”, olhar’ ou ‘vigiar’, é encontrado em At 20.28; Fp 1.1; 1Tm 3.2; Tt 1.7; 1Pd 2.25 (VINE, 2003, p. 434).

Na atualidade, o termo “presbítero” indica os ministros evangélicos de uma determinada área, em conjunto com os demais líderes oficiais ou leigos.

O presbitério deve ser valorizado, pois desde os primórdios da Igreja cristã, a sua existência tem fundamento na Palavra de Deus. Temos que preparar os presbíteros para atuar efetivamente no governo da igreja e no ministério de ensino, deve, portanto, estar qualificado para ensinar. Caso contrário, a igreja local não desenvolverá. O presbítero tem que ser alguém “habilidoso no ensino”, “apto para ensinar” e ter disposição para ensinar. Todo presbítero e todo pregador deve ser um mestre, pois, de outra forma, destruirá o caráter espiritual de igreja.

“Os presbítero que governe bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina” (1Tm 5.17)

OS DEVERES DO PRESBITÉRIO

“Procura conhecer o estado das tuas ovelhas; põe o teu coração sobre o gado” (Pv 27.23)

Nós encontramos vinte e duas qualificações e dezesseis deveres na Bíblia. Não falaremos todos, mas alguns deveres, o suficiente para mostrar a responsabilidade desse importante ministério.

Apascentar a igreja

O presbítero no governo da igreja é um apascentador. O presbítero ganancioso, que tem seu coração voltado para o dinheiro, certamente há de colocar o gado no bolso, invés de colocar no coração. O presbítero deve apascentar o rebanho através do:

  1. Ensino;
  2. Consolo;
  3. Proteção; transmissão do amor de Deus ao povo.

Segundo pastor Adilson F. Soares, existe sete tipos de ovelhas diferentes em nosso ministério:

  1. A ovelha perdida

É a ovelha sem conversão genuína (Mt 10.6; Lc 19.10);

  • A ovelha desgarrada

É a ovelha desviada (Sl 119.176; Is 53.6);

  • A ovelha quebrada

É a ovelha moribunda espiritual, desiludida e enganada (Ez 34.16; Lc 4.18)

  • A ovelha doente

É a ovelha enferma de maneira crônica espiritual, só um milagre de Cristo (Ez 34.3; Is 1.6);

  • A ovelha gorda

É a ovelha auto-suficiente. Não precisa de culto de doutrina e é colecionadora de diplomas, etc. (Ap 3.17);

  • A ovelha forte

É a ovelha truculenta, vidente, provocadora de intrigas (Ez 34.16);

  • A boa ovelha

É a ovelha que confia no Senhor e espera n´Ele em qualquer circunstância de sua vida (Sl 23)

 
Liderar a igreja local

O presbítero tem o dever de cuidar “da Igreja de Deus” (1Tm 3.5). A palavra governo no grego é “proistemi”, que significa “ser cabeça”, “conduzir”, “gerir”, sendo usada para qualquer forma de governo. Um presbítero é também aquele que governa a igreja local. Para tanto, precisa saber “governar a sua própria casa” (1Tm 3.4).

Preservar a igreja contra os erros

“Mas o Espírito expressamente diz, que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios” (1Tm 4.1)

A palavra apostatarão no grego é “aphistemi”, que vem a ser “levar à revolta”, “desviar”, “afastar-se”, “retirar-se”, ou seja, rejeitar uma posição tomada anteriormente, contrariando o que originalmente defendia. Essa mudança de atitude vem pelo engano maligno, de desviar atenção do crente para longe de Cristo, cegando-lhe o entendimento. É dever do presbítero que governa a igreja local preservar a igreja contra os erros.

Ungir os enfermos

“Está alguém entre vós doente? Chame os presbítero da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor” (Tg 5.14)

A unção com óleo é um ato de fé que acompanha a “oração da fé”, feita por homens de Deus, que, liderando a igreja local. Revelando a proximidade que os presbíteros devem ter, na igreja local não pode banalizar o ato de ungir enfermos. Esse ato é confiado aos presbíteros.

CONCLUSÃO

Aprendemos que se algum homem deseja ser presbítero, deseja um encargo nobre e importante (1Tm 3.1). É necessário, porém, que o obreiro seja chamado por Deus e essa aspiração seja confirmada pela Palavra de Deus (1Tm 3.1- 10; 4.12) e pela igreja (1Tm 3.10). A igreja não aceita pessoa alguma para a obra ministerial tendo por base apenas seu desejo, sua escolaridade, sua espiritualidade, ou porque essa pessoa acha que tem visão ou chamada. A principal missão do presbítero é servir a Deus, assim como esta também é a missão do diácono. Porém, o serviço a ser realizado pelo presbítero corresponde à administração da casa do Senhor no campo espiritual e, esta administração, é principalmente realizada pelo ensino autêntico da Palavra de Deus.

- Propaganda - spot_img

Últimas Noticias

- Propaganda -