A Força do Perdão

spot_img

Mais lidas

Na nossa jornada, sempre nos deparamos com alguém que precisa de ajuda quando o assunto é o perdão. O ressentimento atinge as pessoas que se sentem culpadas por terem ofendido alguém e atinge aquelas que não perdoam as ofensas de outro contra si mesmo.

Há até as que guardam rancor e ficam confusas por haverem perdoado a “quem não merecia o perdão.” É neste momento que vem à nossa mente pensamentos automáticos e intrusos, pensamentos que não chamamos, tais como: “vou me vingar”, “ela vai ver”, “o mundo dá voltas”, “nada melhor do que um dia atrás do outro”, etc.

Entretanto, aquelas que experimentaram a regeneração da mente pelo Espírito Santo logo passam a revestir seu entendimento com pensamentos cristãos, tais como: “o que fazer diante da pessoa ofendida? Como direcionar uma palavra que seja a palavra correta? Como trazer um conselho que não apenas agrade, mas que leve aquela vida à transformação?” Tive uma experiência que pode servir de ajuda a você, querida amiga.

Atendi uma senhora que estava com dificuldade em perdoar uma companheira de trabalho que várias vezes a havia destratado sem nenhum motivo aparente. Ela dizia às colegas que a odiava e, quando podia, a caluniava. Segundo ela, sua oponente se retratou, mas ela não a perdoou porque o que ela fizera era imperdoável. Indaguei quanto tempo ocorrera tais episódios. “A última vez”, disse ela, “faz mais ou menos um mês”. Aquela senhora estava tão raivosa que, para mim, o último episódio havia ocorrido no dia anterior. Seguimos a conversa e perguntei o que ela mais queria, ela respondeu: “voltar a confiar nela e perdoá-la”, e acrescentou: “mas quem faz uma vez pode fazer mil vezes”. Permaneci em silêncio e enquanto eu pedia ao Espírito Santo uma palavra, veio à minha mente algo semelhante que havia acontecido comigo e que Deus me dera graça, ajudando-me a sanar os desentendimentos com um abraço de perdão. Veio ao meu coração a seguinte expressão:

“com a consolação que somos consolados, consolamos a outros” (1 Coríntios 1:4),

assim como o Senhor nos perdoou, devemos perdoar. Que maravilha, o Espírito Santo é real! Assim, pude levar aquela vida a entender o valor do perdão.

Uma das disciplinas da vida cristã mais difíceis a ser praticada é o perdão. O amor afina-se com o perdão, um depende do outro. São disciplinas da Escola do Mestre dos mestres: o amor, o perdão e outras. Seremos aprovadas? Vamos lutar e Deus nos ajudará a praticá-los sempre. Sem falar que o perdão beneficia mais a nós do que ao autor da afronta, o perdão tem uma ação de restauração e de cura.

Antes que os cientistas comprovassem o poder curativo do perdão, a Bíblia já nos apontava em Lv 4.20 e 2 Cr 7.14. O Salmo 103 nos mostra claramente que o perdão traz cura (Sl 103.1-3). Por isso é lindo perdoar e ser perdoado. Jesus disse em Mt 6.12, na oração dominical:

“perdoa as nossas dívidas assim como perdoamos aos nossos devedores”.

Em Mateus 18.21, Pedro perguntou a Jesus:

 “até quantas vezes o meu irmão pecará contra mim que eu lhe perdoe? Até sete vezes? Respondeu-lhe Jesus: não te digo até sete vezes, mas setenta vezes sete.”

Ele estava ensinando que quantas vezes necessitar devemos perdoar. Já em Lucas 17.3, Jesus disse:

“Acautelai-vos. Se teu irmão pecar contra ti, repreende-o, se ele se arrepender, perdoa-lhe. Se por sete vezes no dia pecar contra ti, e, sete vezes vier ter contigo dizendo: ‘estou arrependido’, perdoa-lhe.”

Depois destas palavras de Jesus os discípulos disseram ao Senhor:

“aumenta-nos a fé” (v. 5).

É evidente que para perdoar temos que ter fé, porque sem fé é impossível viver a vida de Cristo.

Há vários benefícios no exercício do perdão, vejamos:

• Quando treinamos o perdão, evitamos a depressão e revigoramos a esperança;

• A raiva é arrefecida, a conexão espiritual melhora e a paz de Deus traz serenidade;

• Há uma visível melhora no bem estar físico e mental, como nos relacionamentos interpessoais da pessoa que perdoa;

• O perdão gera menos estresse, portanto há menos probabilidades de cânceres e doenças cardíacas;

• O perdão faz com que você lembre da ofensa sem sofrimento;

• O perdão leva a você ser tolerante com as falhas do outro.

Que tal disponibilizar o coração, usar a fé e liberar o perdão de coração a quem nos ofende? O que para o homem é impossível, amada, para Deus é possível. Acredite e comece a praticar o perdão. John Bevere disse: “uma pessoa que não consegue perdoar esqueceu-se da grande dívida da qual foi perdoada.” Quando você percebe que Jesus libertou-lhe da morte eterna, você liberará os outros incondicionalmente. Deus ajuda a praticar o perdão.

Meu abraço!

por Judite Alves

- Propaganda - spot_img

Últimas Noticias

- Propaganda -